8 de abr de 2008

Mr Madman sacode 40 mil pessoas no Estadio do Palmeiras

O ano de 2008 tem se mostrado prolífico em matéria de shows internacionais. Pouco mais de um mês da triunfante passagem do Iron Maiden por essas terras, era a vez do "Mr Madman" fazer sua primeira visita ao país em 13 anos( a última tinha sido em 1995,no saudoso festival Philips Monsters of Rock).Escoltado por Black Label Society e Korn,tinha tudo para ser mais um momento inesquecível para os fâs de heavy metal. E foi.
Abrindo as festividades,tivemos o Black Label Society, banda do eterno companheiro de Ozzy,Zakk Wylde. E,por mais que o restante do grupo fosse bastante competente (destaque para o baterista) obviamente todos só tinham olhos para o guitarrista. E Zakk fez o que sabe de melhor,ou seja,pintou e bordou com suas maravilhosas guitarras Gibson,que ele trocava a cada música. Interessante notar que ao vivo, aquele rockão com influências sulistas dos discos de estúdio, adquire contornos puramente metálicos. De fato, o chão tremia de tanto peso que vinha do palco. Um ótimo show, embora curto (apenas 6 músicas foram tocadas). Destaque para Fire it Up.
Na sequência,tivemos o Korn. Ouvi de muita, mas muita gente mesmo, que a banda estava no local e no dia errado, mas, andando pela pista , era possível ver que a banda atraiu muitos fâs ao show, já que eram inúmeros os seres com rasta no cabelo, piercings aos montes, tatuagens até no cérebro e os indefectíveis acessórios da marca Adidas,tão caros a esse tipo de público.
Falando da apresentação em si, todos os rótulos ficaram de lado,pois a banda mostrou, sim, que é bastante pesada ao vivo, quer queiram ou não. Abriram com Here to Stay, e imediatamente o local se transformou num verdadeiro campo de pula-pulas. O vocalista Jonathan Davis de fato possuiu uma excelente performance e uma ótima voz, nao devendo em nada ao material de estúdio. O clímax foi com as inevitáveis Freak on a Leash e Blind, que incendiaram a pista. Um show realmente bastante agradável de se assistir.
Terminado os "opening acts", era a vez do "ômi" entrar em cena. Momentos antes do show, foram exibidos vídeos em que mostravam o vocalista fazendo paródias com clássicos do cinema, como Exorcista e Piratas do Caribe, entrecortados por um desafinado "ô ô ô ô ô" disparado por Ozzy lá de trás do palco,prontamente respondido pelo ansioso público com "ozzzzyy, ozzzyyy".
Poucos minutos depois, começa a soar um trecho de Carmina Burana, e todos sabiam que era hora do circo literalmente pegar fogo. Abrindo com I Don´t Wanna Stop, do novo álbum Black Rain, surge um Ozzy com faixa no cabelo, unhas e olhos pintados, andando pra lá e pra cá, com uma banda bastante competente na retaguarda (destaque para o batera Mike Bordim,ex Faith no More,e, claro, Zakk Wylde).
Não faltaram os tradicionais "lets go fucking crazyyy", "I can´t fucking hear you" ,bordões que o vocalista usa há décadas, mas que sempre têm uma resposta imediata do público.
Claro que nao poderiam faltar os clássicos do Black Sabbath, então War Pigs, Iron Man e Paranoid ficaram com a honra, mesmo com Ozzy já nem de longe conseguindo interpretá-las como nos anos 70(também seria pedir demais,né?). Da sua carreira solo, No More Tears, Crazy Train, Bark At the Moon e Mr Crowley levaram 40 mil pessoas ao ecxtasy absoluto,deixando os leigos se questionando como um senhor aparentemente meio gagá, consegue aquela façanha toda.
Terminado o show, hora de tomar o rumo de casa, com a sensação de termos visto uma autêntica lenda viva nao só do metal, mas da música mundial. Longa vida ao Mr Madman!!

3 comentários:

Paty Graccho disse...

Parabéns pelo excelente texto. Consegue nos passar uma boa idéia do que aconteceu no dia. Não rolou degustação de morcego?

assanassan disse...

As 3 bandas valeram o ingresso.
E para quem fez cara feia para o KORN... SUCK THEM!

Claudio Balboa disse...

haha infelizmente nao rolou uma degustação de morcego.Do jeito q ele tá,capaz que não aguente mais o tranco
abraços