8 de fev de 2010

No Fun At All: a Suécia também tem hardcore

foto: Marcos Odair

NO FUN AT ALL
Fênix Coffee, Santos/SP (29/01/2010)

Nem só de hard rock e death metal melódico vive a Suécia. Essa é a grande tônica que o No Fun At All tem provado durante toda a sua carreira. Com um hardcore forte, rápido e de melodias pegajosas, a banda voltou a calorosa cidade de Santos, desta vez, para promover o seu mais recente trabalho Low Rider, disco que marca seu triunfal retorno e que ainda traz de lambuja um cover do In Flames, ícone do metal sueco, evidenciando ainda mais a amizade entre os dois grupos.

Em 2001, a banda decidiu encerrar as atividades, mas, para alegria dos fãs, há dois anos, os integrantes resolveram se reunir e desse reencontro nasceu esse novo álbum de inéditas e razão para esta terceira série de shows pelo Brasil, que além da Baixada Santista, passou pelas cidades de Porto Alegre, Curitiba, São Paulo e Fortaleza.

A responsabilidade de abrir a noite ficou por conta da santista Riverside Hospital, que apesar de mostrar certa qualidade, tocou para as moscas. No máximo 50 pessoas conferiram a exibição deles. Show frio, sem empolgação, pelo menos vai constar no currículo que abriram para um dos nomes mais respeitados do hardcore mundial.

Na sequencia, veio a "velha" conhecida Vatos, que também tocou para um público reduzido. O repertório contou com músicas em inglês e português, e covers de Rancid e Face to Face, sem sombra de dúvidas a maior influência dos caras.

Até aquela altura, parecia que o evento seria um fracasso, pois a divulgação do show foi forte, mas a galera não havia comparecido. Porém, em poucos minutos, a casa foi "invadida" pelo público. Entre os presentes, fãs de diversas cidades da Baixada Santista e inclusive de São Paulo, que desceram a Serra do Mar para conferir o NFAA em Santos, pois no dia seguinte, iriam acompanhar o Metallica na capital.

Logo que entraram em cena, Ingemar Jansson (vocal), Mikael Danielsson (guitarra), Christer Mahl (guitarra), Steve Neuman (baixo) e Kjell Ramstedt (bateria) tiveram uma recepção maravilhosa. Assim que os primeiros acordes da Mine My Mind começaram a ser executados, o publico vibra, canta e demonstra um feedback positivo em relação ao novo material.

Porém, não demorou muito para que o extenso repertório se revelasse um verdadeiro best of. Dentre as 25 músicas, as predominantes estão presentes no clássico álbum Out of Bounds. Beat’em Down, I Have Seen, In a Moment, Stranded, Invitation, Happy For The First Time, Perfection, Beat ‘Em Down e as poderosas Should Have Known, Suicide Machine e Stranded ditaram o ritmo. Porém, como na maioria das vezes, o melhor sempre fica reservado para o final. O encerramento devastador foi comandado pelas composições Out Of Bounds, Beachparty e a célebre Master Celebrator.

A banda que havia encerrado suas atividades em 2001 parece que precisou dessa pausa para por a carruagem de volta a estrada. Com as baterias mais do que recarregadas, a banda está enxuta e parecia incansável em cima do palco. A performance foi arrebatadora do começo ao fim. Os fãs correspondem a essa energia da melhor forma possível: cantando e ao mesmo tempo com o pau comendo solto nas rodas e moshs.

Foram praticamente 1h30 do mais puro hardcore. Apesar desse todo tempo de estrada, a banda da minúscula Skinnskatterberg, ainda mantêm latente a suas influencias de Bad Religion e 7 Seconds.

Além das tradicionais bandas de heavy metal, o cenário santista também é conhecido pela forte tradição no hardcore. Não se pode dizer que o público compareceu a ponto de lotar a casa, pois a Fênix tem uma estrutura bem grande, mas a pista estava cheia de fãs animados, que agitaram do começo ao fim. A cada música era uma roda mais violenta que a outra e stage diving consecutivos. A invasão ao palco foi tão constante, que até acabou atrapalhando a performance da banda muitas vezes. Porém, pior foi a atitude dos seguranças que só faltaram pegar um instrumento e sair tocando. Os "profissionais" tentando conter os fãs mais exaltados praticamente dividiram o palco com os suecos.

No entanto, o pior aconteceu depois. Enquanto a banda descansava após um show perfeito, a van do grupo foi roubada dentro do estacionamento do hotel localizado na Ilha Porchat. Parte do merchandising e inclusive instrumentos foram levados pelos marginais. Uma vergonha para uma cidade que tanto se orgulha pelo setor turístico.

Espero que este show seja apenas o primeiro de muitos outros em 2010. Santos necessita urgentemente desses tipos de eventos memoráveis para exterminar de vez com essa onda colorida que persiste na região. ... And Harcore/Metal for All.

Set List:
Mine My Mind
Believers
Suicide Machine
Strong and Smart
Man With The Powers
Wrong and Right
Don’t Be a Pansy
I Have Seen
Beat’em Down
Reckless (I don’t Wanna)
Should Have Known
Lose Another Friend
Perfection
Never Ending Wheel
Forevermore
In a Moment
Where’s the Truth
Stranded
Growin Old, Growing Cold
Catch me Running Round
Happy For The First Time

Encore:
Invitation
Out of Bounds
Beach Party
Master Celebrator

2 comentários:

Fabrizio Loureiro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fabrizio Loureiro disse...

Legal, mas o Baixada é METAL...